História de carreira em broadcast e mídia na Rohde & Schwarz

Nossas histórias de sucesso

Nossa segunda casa é Hollywood: cinema excelente graças à nos desenvolvedores

Nossa equipe em Hannover é um importante parceiro de Hollywood e de vários serviços de streaming de vídeo, uma vez que a estação de trabalho de masterização que ela desenvolveu é considerada um item absolutamente obrigatório no setor.

Conheça a equipe e saiba mais sobre algumas das ideias de desenvolvimento. Assistir a filmes e séries pode ser mágico. Como espectadores, mergulhamos nessas produções e esquecemos totalmente tudo à nossa volta. O que exatamente nisso tudo nos atrai de uma maneira tão profunda? Primeiro, é preciso ter o roteiro, atores e cenário certos. A edição e a sonoplastia também são fatores importantes. E a pós-produção é responsável por cuidar dos toques finais.

Pós-produção em broadcast e mídia

Salvo bem a tempo

Mesmo nas maiores produções, os atrasos são frequentes. Mas a data da estreia não poderá ser simplesmente adiada se a filmagem ou a edição levar mais tempo que o esperado. Nessas horas, é a pós-produção que precisa salvar o dia. No conteúdo bônus de O Hobbit, vemos que Peter Jackson e sua equipe ainda estavam trabalhando nos efeitos sonoros poucas horas antes da estreia internacional. O fato de a sonoplastia ter sido concluída a tempo para a estreia se deu em parte graças à estação de trabalho de masterização R&S®CLIPSTER. Mike Coenen, um dos desenvolvedores do CLIPSTER, explica: “Se a compatibilidade do R&S®CLIPSTER para Dolby Atmos ainda não estivesse pronta, se a velocidade de renderização tivesse sido lenta demais ou se a estação de trabalho não fosse totalmente confiável, a estreia internacional de O Hobbit poderia ter usado uma mixagem anterior. Entregar a mixagem final Atmos a tempo para a estreia, junto com a Alta Taxa de Quadros 3D, foi o melhor resultado possível."

Adaptação e masterização em broadcast e mídia

Definindo o futuro dos filmes e séries

Vamos voltar um pouco no tempo: a digitalização transformou completamente o setor. Os formatos digitais substituíram os filmes analógicos, imagem e áudio podem ser editados com muito mais flexibilidade, rolos e filmes e cópias de distribuição são coisa do passado e, em apenas alguns segundos, conseguimos enviar dados para o mundo todo. A equipe do R&S®CLIPSTER fez parte dessa mudança. De acordo com o desenvolvedor Jeremi Horst, "Tivemos um papel muito importante na definição da Digital Cinema Initiatives (DCI). Além disso, aproveitamos a transformação da tecnologia para usar o R&S®CLIPSTER na adaptação do fluxo de trabalho da pós-produção às necessidades dos nossos clientes." Não faz muito tempo que imagens fluidas e som estéreo eram a experiência mais completa. Mas, atualmente, o mercado exige áudio UHD e 3D, versões multilíngues e tempos mínimos de carregamento. A estação de trabalho R&S®CLIPSTER desenvolvida por Jeremi Horst e seus colegas vai além – adaptação e masterização rápidas, sem prejudicar a qualidade. Isso provavelmente explica por que ela é usada na produção da maioria dos filmes e séries de Hollywood.

Formato padrão de broadcast e mídia da Rohde & Schwarz

Um padrão em vez de vários formatos

Uma das desvantagens da digitalização é a infinidade confusa de formatos de áudio, vídeo e dados, resoluções e sistemas de cores. Para administrar esse crescimento descontrolado e criar um padrão para o cinema digital, a Sociedade dos Engenheiros de Cinema e Televisão dos Estados Unidos (SMPTE, na sigla em inglês) definiu o Digital Cinema Package (DCP), um formato em pacote que contem todos os componentes de mídia e versão dos filmes. A equipe liderada por Jeremi Horst e Mike Coenen teve uma colaboração intensa com a SMPTE. A estação de trabalho desenvolvida se tornou o padrão dos pacotes DCP.

Campeãs ocultas

O streaming de vídeo se torna cada vez mais importante

A indústria de streaming de vídeo está ganhando cada vez mais importância. Assim como os estúdios internacionalmente conhecidos, os serviços de streaming de vídeo usam um formato diferente para masterizar e adaptar filmes e séries: o formato mestre interoperável (IMF, na sigla em inglês), que também foi desenvolvido pela SMPTE. A equipe de Hannover também colaborou com esse processo de padronização, e seu R&S®CLIPSTER é uma solução bastante conhecida para a geração de pacotes IMF.

A Netflix foi uma das primeiras a usar o IMF de maneira consistente. O R&S®CLIPSTER é certificado pela Netflix e recomendado para provedores de conteúdo de serviço de streaming como a estação de trabalho de masterização ideal. Como muitos outros serviços de streaming internacionais que têm animações, desenhos e séries premiadas no portfólio também usam o IMF, os resultados de um projeto de desenvolvimento em Hannover atingiu centenas de milhões de assinantes.

Pioneiros de broadcast e mídia na Rohde & Schwarz

Pioneiros desde o início

A resolução de imagem ultra-alta 4K, que ficou conhecida em 2010, já era uma realidade em 2005 graças ao R&S®CLIPSTER. Fiel a esse espírito de pioneirismo, a equipe de desenvolvimento se mantém em um caminho voltado para o futuro. De acordo com a explicação do Gerente de Produto Erik Dobberkau, eles se concentram em áreas selecionadas: “Testamos nossa tecnologia de forma minuciosa, manual e automaticamente, para entender com exatidão a perspectiva dos nossos clientes. Criamos versões Beta do software disponível para os clientes que têm expectativas específicas. Assim, eles podem testar novos recursos antes de finalizar todo o trabalho e lançá-lo." Os clientes sempre optam por métodos pioneiros. Mike Coenen explica também: “Administrar produtos e projetos em lugares paralelos traz altas exigências sobre o modo como trabalhamos. É por isso que um desenvolvimento ágil de software é absolutamente necessário desde o início. Hoje isso é evidente, mas, na época, era algo totalmente novo. Nós não conhecíamos o Manifesto Ágil, mas nosso trabalho correspondia à ele vírgula por vírgula."

Nossos especialistas

Erik Dobberkau
Erik Dobberkau, gerente de produto

Eu sou o gerente do R&S®CLIPSTER. Nossos anos de trabalho nessa solução foram uma luta para encontrar o equilíbrio entre a inovação extremamente acelerada e o nível de exigência por qualidade. Os usuários da área de pesquisa e desenvolvimento (PD) buscam um produto flexível que os permita experimentar à vontade, enquanto os usuários da área de produção querem poder confiar totalmente no produto. Tentamos vencer essa luta e, na maior parte do tempo, conseguimos.

Thomas Sicken
Thomas Sicken, engenheiro sênior de software

Meu cargo é o de engenheiro sênior de software. Um dos maiores desafios do desenvolvimento do R&S®CLIPSTER foi o ambiente dinâmico em que a estação de trabalho é usada. Em muitos casos, os processos de trabalho não são claramente definidos, mas são rígidos e habituais ao mesmo tempo. Embora novas tecnologias, como altas taxas de quadros e HDR, devam ser usadas, os processos associados podem ser simplesmente transformados em fluxos de trabalho produtivos com o R&S®CLIPSTER.

Mike Coenen
Mike Coenen, engenheiro de desenvolvimento

Para mim, fazer parte da indústria cinematográfica internacional como desenvolvedor é um sonho de criança que se tornou realidade. Na produção de um grande sucesso de bilheteria, o produtor queria usar uma correção automática de cores no R&S®CLIPSTER para sequências estereoscópicas. Esse trabalho veio parar na minha mesa com o seguinte comentário: ‘Você tem 10 dias para fazer isso.' Eu respondi que era daltônico.

A resposta e a confiança em mim não mudaram: ‘Você tem 10 dias para fazer isso.' Graças à minha experiência em produção de filmes digitais e certo conhecimento em estocástica, pude resolver esse problema. Então, algumas das sequências processadas desse filme foram baseadas no trabalho de uma pessoa daltônica.

Jeremi Horst
Jeremi Horst, diretor de pesquisa e desenvolvimento, soluções de mídia baseadas em arquivo

Como diretor de pesquisa e desenvolvimento, soluções de mídia baseadas em arquivo, eu tenho um apreço especial pela colaboração amistosa em Hannover. Temos uma equipe altamente motivada, totalmente comprometida com os produtos. O foco está sempre nos benefícios diretos para o cliente. Um bom exemplo disso é O Hobbit. Esse foi o primeiro filme com alta taxa de quadros a chegar aos cinemas. Conseguimos atender às exigências de qualidade de compactação do cliente, cumprindo, ao mesmo tempo, os requisitos de velocidade de transmissão da especificação da DCI.

Links relacionados